Governo reajusta preços mínimos do arroz, milho, feijão e algodão


Os preços mínimos das culturas de verão das safras 2016/2017 foram reajustados nesta semana. A partir de agora, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) vai executar as operações ligadas à Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) de acordo com os novos valores. A portaria com os referenciais foi publicada no Diário Oficial da União do dia 06/07, com informações da Superintendência de Gestão da Oferta da Conab.

A proposta de reajuste de preço mínimo do arroz levou em consideração a necessidade de se promover maior atratividade financeira para a cultura e a recuperação da área e da produção, aumentando, com isso, a segurança alimentar nacional. Os preços para esta cultura foram fixados para regiões específicas: Sul (PR), Sudeste, Centro-Oeste (MT), Nordeste e PR, Norte e MT. O preço mínimo do arroz longo fino em casca, por exemplo, passou de R$ 29,67 no Sul (PR), para R$ 34,97, saca de 50 kg, e de R$ 35,60 para R$ 41,97, saca de 60 kg, nas demais regiões citadas.

O preço mínimo do milho também é calculado a partir de diferentes regiões. No Sul, Sudeste, Centro-Oeste (exceto MT), o preço passou de R$ 17,67 para R$ 19,21. Em MT e RO foi de R$ 13,56 para R$ 16,50. Foram mantidos os valores de R$ 21,60, sacas de 60 kg, nas regiões Norte (exceto RO), oeste da Bahia, sul do Maranhão e sul do Piauí, e de R$ 24,99 nas demais áreas e estados do Nordeste.

O feijão, sacas de 60 kg, teve um aumento de 8,46% para o tipo cores, 8,97% para o preto e de 4,76% para o caupi. O feijão cores passou de R$ 78,00 para R$ 84,60 e o preto, de R$ 87,00 para R$ 94,80. O caupi foi de R$ 50,40 para R$ 52,80. A soja em grãos, convencional e também OGM, passou de R$ 27,72 para R$ 30,17 a saca de 60 kg, em todo o Brasil.

Já o preço do algodão em caroço 15 kg, por exemplo, passou de R$ 21,41 para R$ 23,32, o produto em pluma, de R$ 54,90 para R$ 59,80, e o amendoim, de R$ 22,16 para R$ 24,05 cada 25 quilos. Também houve atualizações nos preços mínimos da Juta/Malva, mandioca e derivados e o sorgo.
Compartilhar no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário