Murer chora, cita lesão e anuncia aposentadoria: Foi minha última Olimpíada


Fabiana Murer ficou muito decepcionada após não conseguir a classificação para a final da prova feminina de salto com vara na Rio-2016. Chorando, a atleta brasileira disse que uma hérnia de disco descoberta há um mês prejudicou sua preparação e seu desempenho nesta terça-feira (16). Com o encerramento da sua participação nos Jogos, ela anunciou a aposentadoria das Olimpíadas.

"Fiquei muito chateada. Tive essa lesão, aconteceu de não estar 100%. Hoje, eu estava com 60% da minha condição. Eu sinto um pouco de dor, mas o problema é que a hérnia comprime o nervo e o movimento do braço fica debilitado, fico sem parte da força que eu preciso. É minha última Olimpíada, meu último ano", disse a atleta em entrevista à TV Globo.

Diante da torcida presente no Engenhão, a atleta brasileira caiu fora do colchão no aquecimento e, na classificação, não ultrapassou a marca de 4,55m em três tentativas.

"Meu braço esquerdo ainda continua sem muita força e ele acaba falhando na hora do salto. Eu preciso muito do braço para saltar ali, eu perco o momento de fazer o salto. Fico chateada, mas fiz o máximo que pude. Faz parte, esporte é assim", acrescentou.

No segundo grupo, Fabiana, que seria a primeira a saltar, decidiu começar a classificação apenas nos 4,55m. Mas na primeira tentativa, não ultrapassou o sarrafo. Decepcionada com a investida inicial, a brasileira também parou no sarrafo na segunda chance, nos mesmos 4,55m. Pressionada e indignada com os fracassos anteriores, a atleta foi para a terceira tentativa com os mesmos 4,55m e não teve êxito.

"Eu estava bem nervosa. A qualificação já é uma prova tensa. Eu estava com muita tensão, porque eu sabia que tinha que fazer o salto mais perfeito possível. Não sabia o que ia acontecer. Vim acreditando que seria possível, mas era nesse momento que eu ia fazer os ajustes finais para tentar saltar", analisou Fabiana.

Fantasmas

A atleta de 35 anos é o maior destaque individual na modalidade do país nos últimos anos. Ela foi campeã mundial duas vezes (2010 indoor e 2011 ao ar livre) e conquistou a Liga Diamante em duas oportunidades (2010 e 2014). Por isso era a grande esperança de medalha para o Brasil em sua modalidade. Apesar disso, ela precisou enfrentar os 'fantasmas olímpicos' que a perseguem desde 2008.

Nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, a atleta sofreu o seu primeiro baque quando não encontrou uma de suas varas antes do início da final. Ela procurou de todas as formas, foi reclamar com a organização e não achou. Então desconcentrada, ela acabou em 10º lugar.

Nas Olimpíadas seguintes, em Londres-2012, ela chegou como uma das favoritas à medalha de ouro. Apesar disso, ela não teve sorte e pegou um dia de muito vento na qualificação, ficando de fora das finais. 
Compartilhar no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário