Silveira vai ter que ir à Câmara Municipal explicar caso suspeito das terceirizadas


O plenário da Câmara Municipal de Mossoró acaba de aprovar a convocação do prefeito Silveira Júnior (PSD) para explicar contratos suspeitos com empresas terceirizadas.

Decisão por unanimidade. Todos votaram a favor. Ausentes apenas o presidente da Casa, Jório Nogueira (PSD) e Alex do Frango (PMB). A sessão foi presidida pelo vereador Irmão Narcizo (PR).

Silveira terá que ir ao Legislativo no dia 24 de agosto. Será a primeira vez que assumiu o  prefeito irá à Câmara por obrigação, para esclarecer coisas suspeitas. Todas as outras tentativas, por parte da oposição, foram impedidas pela bancada governista.

O requerimento do vereador Tomaz Neto (PDT) foi aprovado depois de três sessões esvaziadas pela bancada governista. Duas sessões na semana passada e uma ontem não tiveram quorum porque os governistas se ausentaram do plenário.

Hoje, prevaleceu a pressão da sociedade, através de setores da imprensa. O desgaste dos vereadores de Silveira estava se agravando e eles acabaram cedendo.

O prefeito não queria ir se explicar. Usou os vereadores de sua bancada para impedir a convocação. Reuniões, ameaças de exonerações, entre outros instrumentos, foram usados pelo Palácio para segurar a convocação. Mas a bancada não teve mais como postegar a aprovação da convocação.

O caso é muito grave. Segundo o juiz do Trabalho Vladimir Paes de Castro, da 4a Vara do Trabalho de Mossoró, há fortes indícios de cometimento de atos ilícitos, como a contratação e pagamento de salários de pessoas que nunca trabalharam.

Em documento enviado à Câmara Municipal, o juiz indicou a abertura de investigação. O Legislativo analisou o documento e pediu explicações ao prefeito, o que não foi apresentado até aqui.

Com a convocação aprovada agora, Silveira vai ter que apresentar a sua defesa no plenário da Câmara. Depois, o Legislativo poderá instalar uma Comissão Especial de Investigação (CEI), conforme sugere o vereador Tomaz Neto.

O mesmo documento o juiz Vladimir Paes de Castro encaminhou ao Ministério Público Estadual (MPRN), que poderá abrir nova linha de investigação.

O caso das terceirizadas é rumoroso, devido o grande volume de recursos públicos envolvidos e a suspeita de que boa parte dos trabalhadores contratados não comparecem ao local de trabalho.

A situação se agrava ainda mais devido o salários atrasados dos terceirizados entre seis meses e um ano. Grande parte também não recebeu o décimo-terceiro salário de 2015.


O escândalo das terceirizadas é apenas mais um caso suspeito da gestão Silveira Júnior que exige investigação. Outras situação são bastante delicada, como o milionário lixo de Mossoró, que agora está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual.

Com informações Blog do César Santos
Compartilhar no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário