Polícia acredita que assassino de auditor da Riachuelo não agiu sozinho

(Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)
A Polícia Civil ainda não deu por encerrada a investigação sobre o assassinato do auditor das Lojas Riachuelo, Dinarte Bezerra Filho, de 36 anos, que teve o corpo encontrado na noite de quarta-feira (14), no município de Taipu. A suspeita é de que pelo menos mais uma pessoa tenha participado do crime.

Assassino confesso de Dinarte Bezerra, Deyvson André Silva de Oliveira informou a polícia sobre onde estava o corpo. O criminoso, que já conhecia e tinha proximidade com a vítima, disse que agiu sozinho e que ele mesmo enterrou Dinarte. Ele, no entanto, não explicou se a motivação do crime foi somente o roubo de pertences e o uso do cartão de crédito da vítima - a fatura apontou gastos de mais R$ 6 mil, grande parte realizada pelo criminoso.

De acordo com o delegado Luiz Fernando, de Mossoró, ainda não há a confirmação sobre como ocorreu a morte, mas acredita-se que Dinarte Bezerra tenha sido estrangulado. Segundo o delegado, pelo menos mais uma pessoa deve ter agido com o bandido e as investigações continuam.

"Não acho que tenha agido sozinho. Pelo menos mais uma pessoa ajudou a cometer o crime e estamos em busca dessas informações", disse o delegado.

Com informações Tribuna do Norte
Compartilhar no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário