Sob forte comoção, estudante morta em Mossoró é enterrada em Martins


A estudante de enfermagem e manicure Valéria Patrícia de Azevedo, de 20 anos, que foi encontrada morta na última quinta-feira (15), foi sepultada na manhã deste sábado (17) em Martins sob forte comoção de amigos e familiares. Centenas de pessoas compareceram ao sepultamento que aconteceu às 7h, no Cemitério de Lagoa Nova.

O crime

A família da estudante Valéria Patrícia de Azevedo, de 20 anos, desapareceu na tarde de domingo (11) após sair para limpar e organizar a nova casa em Mossoró, cidade do Oeste potiguar. Segundo a Polícia Militar, a motocicleta de Valéria foi encontrada no mesmo dia em uma estrada carroçável.


Francisco Railton de Azevedo, pai de Valéria, disse que a filha havia saído de moto da casa onde morava no bairro Planalto 13 de Maio. "Por volta das 12h, ela foi fazer uma faxina na nova casa que comprou junto ao marido no bairro Sumaré", relatou. Já por volta das 14h30, a motocicleta da Valéria foi encontrada em uma estrada carroçável no bairro Bom Jesus.

O corpo de valéria foi encontrado na manhã de quinta-feira (15), em uma estrada carroçável na BR-110, que liga Mossoró a Upanema. De acordo com a peria no local, Valéria teria sido morta por estrangulamento. Mas tal fato, foi descartado na noite de ontem (16), quando foi localizado um perfuração por arma de fogo, durante uma nova pericia na sede do Itep em Natal.

Investigação 

O caso começou a ser investigado pelo Delegado Dr. José Vieira, da delegacia de Defraudações de Mossoró. Após a localização do corpo, o delegado começa a ter apoio da DHPP (Departamentos de Homicídios e Proteção à Pessoa).

A Polícia Civil está trabalhando em sigilo na busca pelo autor da morte da estudante.

Protesto 

Os recentes casos de desaparecimento ocorridos em Mossoró nos últimos dias motivaram um grupo de pessoas a criar um grupo em solidariedade a estudante de enfermagem Valéria Patrícia de Azevedo e ao auditor fiscal Dinarte Bezerra da Silva Filho. Os corpos dos dois foram encontrados na manhã da última quinta-feira, (15).

Uma das organizadoras da Caminhada pela Paz, Paloma Holanda, diz que a manifestação terá início às 16h deste sábado em frente ao Teatro Municipal Dix-Huit Rosado e percorrerá todo o Corredor Cultural em protesto pela falta de segurança vivenciada pelo mossoroense nos últimos tempos.


“A Caminhada terá início às 16 horas em frente ao Dix-Huit Rosado e vamos percorrer todo o percurso do Corredor Cultural, o mesmo feito pelo Pingo da Mei Dia. Vamos realizar essa caminhada em solidariedade a Andreia Valéria e também ao auditor fiscal que desapareceu em Mossoró. Diante dessa situação nós resolvemos criar esse grupo e prestar solidariedade a essas famílias que sofrem nesse momento vítimas da violência que tomou conta de Mossoró e do Rio Grande do Norte”.
Compartilhar no Google Plus

1 comentários:

  1. O problema não é apenas falta de segurança, mas é muito forte a falta de amor verdadeiro no coração das pessoas que cometem tais crimes. Se olharmos dessa forma para questão de segurança, teremos que contratar 3 policiais por habitante para que em 3 turnos de 8 horas a pessoa se sinta segura! O que precisamos é de leis mais duras e eficientes com menos "brechas", pois há muitas cidades cujo efetivo policial é menor e não ocorrem tantos crimes! E é justamente por não haver lei perfeita que digo sobre a falta de amor, uma consideração mais afetuosa pelo outro, que somente Deus pode colocar em nossos corações. Pessoas estão mutilando umas as outras... o que é isso? Não olhe para os noticiários e viva apenas um mês em São Paulo, e eu sou de lá, para você nunca mais querer viver ali! Nem tudo que acontece lá vira estatística ou é mostrado pela imprensa! O Brasil precisa de uma reforma JÁ!
    Obs.: Não vejo culpa na polícia! Os bons policiais fazem o que podem com o que tem! O que precisa mesmo são leis duras que inibam o sujeito que queira cometer um crime e presídios com menos "direitos" ao presidiário, pois segundo a carta da ONU o cidadão perde os direitos em seu país quando ele está a margem das leis!

    ResponderExcluir