Chefes de ataques em São Luís/MA, serão transferidos para presídio federal de Mossoró

Vinte e três detentos apontados pelo Governo do Maranhão como chefes da facção criminosa que reivindica os ataques que vêm atingindo São Luís desde a quinta-feira (29), serão transferidos para a penitenciária federal em Catanduva, Mossoró e Acre, onde cumprirão pena em regime isolado. O Ministério da Justiça comunicará à Secretaria de Segurança Pública a data para envio dos criminosos.

De acordo com o delegado-geral Lawrence Melo, outros 12 presos também tiveram envolvimento com os ataques realizados na capital. A confirmação foi feita pelo setor de inteligência da polícia maranhense após os apenados terem os celulares monitorados. Eles permanecem nos presídios da capital, mas ficarão sob monitoramento irrestrito.

“Em razão das investigações que foram realizadas, podemos com segurança, com certeza, indicar, primeiro, que as ordens para os ataques mais uma vez saíram do sistema penitenciário. Segundo, estão identificados e foram autuados em flagrante. Dentre esses 35 que foram autuados na data de hoje, 23 também tiveram prisão preventiva decretada as quais foram cumpridas pelo sistema de segurança pública”, afirmou.

Portela afirmou que a motivação dos criminosos para os ataques foi prejudicar o processo eleitoral e acrescentou que a declaração foi confirmada pelas próprias mulheres durante a manifestação que tentou interditar a Avenida Beira Mar. “Foi comprovado, ainda, que esses criminosos determinaram a ordem de ataque para integrantes dos grupos aqui fora.

Todos foram criminalmente responsabilizados. E o importante é que, considerando a gravidade dos atos cometidos e as reiteradas práticas criminosas, o Poder Judiciário deferiu a solicitação da Segurança e vamos transferi-los para presídios federais”, enfatizou.

Apesar do clima de insegurança, a realização das eleições neste domingo na capital foi assegurada pelo secretário de segurança pública, Jefferson Portela. “Vamos fazer a contenção deles até a segunda-feira (3), considerando que eles têm uma pauta que nós não temos como responder que é a não realização das eleições”, disse.

Ataques generalizados
Os ataques começaram na última quinta-feira (29), quando quatro ônibus do transporte público foram incendiados em São Luís. De lá pra cá, foram mais de 12 ataques a coletivos registrados em vários bairros da capital.

Além de ataques a ônibus, criminosos também incendiaram duas escolas, um caminhão de lixo, dois carros de prestadoras de serviço (um da companhia elétrica e outro de telefonia) e ataque a uma agência bancária. Segundo a SSP-MA, até às 19h desta sexta, 14 pessoas foram presas e 16 adolescentes apreendidos por suspeitas de envolvimento nos atentados.

Informações: G1MA

Compartilhar no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário