Regional

PM que atuou em operação de Jaguaruana diz que moradores queriam passar de moto e fotografar no meio do tiroteio


Um policial militar do Comando Tático Rural (Cotar) que participou da operação que interviu no ataque a agências bancárias em Jaguaruana (a 173 Km de Fortaleza), na madrugada do sábado, 1º, forneceu detalhes sobre o confronto com o grupo do 'Novo Cangaço', que terminou com cinco presos e sete mortos. 

  O PM que pediu para não ser identificado informou que houve confronto em quatro pontos diferentes. Em frente ao destacamento da PM, em frente ao Bradesco, Banco do Brasil e nos caixas da Prefeitura.  

 "Teve progressão e uma dinâmica. Eles atiravam e a gente se abrigava. A gente atirava e eles se abrigavam. Muitos fugiram quando viram o tiroteio e alguns ficaram por ter mais coragem, por ter fuzis. Outros por não ter como fugir. A intenção deles é atirar e fugir", explica.  

Mortos 

 O policial explicou que na linha de confronto todos os que tombaram e foram baleados na operação eram integrantes da quadrilha, mas não descarta que os integrantes da organização criminosa tenham atirado contra pessoas inocentes pensando se tratar de policiais. 

  O PM ressalta que em uma operação o policial tem que se preocupar com a própria vida, neutralizar os indivíduos que estejam atirando e ainda proteger os cidadãos. "As pessoas vinham para a janela, ficavam no meio da rua, queriam passar de moto no meio do tiroteio. Pessoas estavam com celulares nas equinas, nas calçadas e queriam olhar. Isso atrapalha e gera dificuldade", ressalta. 

Assaltantes de banco 
  
"O Cotar já esteve em várias ocorrências de confronto, como os casos de ataques em Catarina, Itarema, Senador Pompeu. O medo é normal e é necessário em algumas situações, tem o treinamento nos cursos e o policial aprende a controlar e a superar essas emoções", relata. 

  Conforme a fonte, a equipe tem certa experiência, não só em ataques a bancos, mas em situações de abordar casas com traficantes escondidos, mas ressalta que não "envolvem a mesma adrenalina".

 O militar afirma que o criminoso que atua em ataque a banco é diferente do "pirangueiro" comum, que rouba carro e moto. Os criminosos comuns são mais desorganizados e agem por impulso. O armamento é mais fraco, mas o policial ressalta que as armas, independente do poder de fogo, matam do mesmo jeito que um fuzil. 

"Os assaltantes de banco são mais organizados. Planejam ações por meses e possuem armamento que pode causar um estrago bem maior. Mesmo assim não tem o treinamento e o mesmo preparo dos policiais das tropas especiais. O que eles (assaltantes de banco) possuem são logística e plano de ação", comenta. 

Com informações O Povo Online 

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.